Siga-nos em...
Follow us on Twitter Follow us on Facebook Watch us on YouTube
Registro


HGIDC
Resultados 1 a 1 de 1
  1. #1

    Avatar de Cøłєridgє
    Data de Ingresso
    Mar 2010
    Localização
    Italia
    Posts
    786
    Agradecido
    1
    Peso da Avaliação
    21

    Thumbs up Curso Básico de Redes ( Parte 2 )



    A evolução do cabeamento

    Praticamente tudo na informática passou por um processo evolutivo relativamente longo, abrangendo algumas décadas. Com as redes não foi diferente. Vimos isso no post anterior, que mostrou brevemente a história das redes de computadores. Após a implementação bem sucedida da ARPANET e do padrão Ethernet para transmissão de dados numa rede local, o próximo passo seria melhorá-los, naturalmente.

    Do padrão Ethernet original usado no PARC que transmitia a apenas 2.94 megabits, surgiu o padrão de 10 megabits. Que posteriormente foi substituído pelo padrão de 100 megabits, chamado de Fast Ethernet e pelo de 1000 megabits, o Gigabit Ethernet, mais comumente usados hoje em dia. E como dizia Cazuza, “o tempo não para”, e ele realmente não parou e já temos o padrão 10 Gigabit ou carinhosamente chamado de 10G, que transmite a 10.000 megabits por segundo! Enfim, uma evolução natural que também exigiu o aperfeiçoamento do cabeamento usado nas redes ao longo do tempo.

    Dos cabos coaxiais aos de fibra óptica, farei uma rápida passagem pela linha do tempo nos cabeamentos de rede. Tudo começou com aquele primeiro padrão a ser usado em larga escala, o de 10 megabits, também chamados de 10BASE-5. Ele usava um único cabo coaxial grosso e pouco flexível, chamado de thicknet, que interligava todas as estações de trabalho. Esse cabo era ligado num transceptor que ainda possuía um conector AUI de 15 pinos, interligando o transceptor à placa de rede. Com uma imagem fica mais fácil de entender:






    Pois é, assim vocês já podem imaginar o incômodo que era essas redes. Não eram nada práticas! Assim, foi desenvolvido o padrão 10BASE-2, que ficou conhecido como thinnet. Era chamado assim por que o fio usado era mais fino que no padrão anterior, por isso thin, que significa “fino”, diferindo do thick, que significa “grosso”. E já que estou falando de nomenclaturas, vou explicar o porquê do 10BASE-5 e 10BASE-2. Esse nome é, na verdade, a junção de três informações: o 10 diz respeito à taxa de transmissão, 10 megabits; o BASE é a abreviação de baseband modulation, indicando que o sinal já era transmitido de forma digital, sem a necessidade do uso de modems, como o sistema telefônico e, por fim, o número no final indica a distância máxima alcançada pelo sinal. No caso de 10BASE-5, o alcance máximo do cabo é de 500 metros, enquanto que no 10BASE-2 o cabo transmite o sinal a até 185 metros, é que eles arredondaram. Com as nomenclaturas devidamente explicadas, continuemos…

    As redes thinnet, configurando o padrão 10BASE-2, apesar de terem um alcance menor, eram mais práticas e, portanto, mais fáceis de trabalhar. Além de serem mais baratas. O seu cabo mais fino, o RG58/U era mais flexível e aquele transceptor gigante das redes 10BASE-5 foi miniatuarizado e movido para dentro da placa de rede. As estações de trabalho eram interligadas umas as outras através dos cabos conectados em forma de “T”, como na imagem:






    Esse terminador (terminator) que você vê na segunda imagem, era usado nas extremidades da rede, para que o sinal não voltasse em forma de interferência. Apesar de mais prática e mais barata, as redes 10BASE-2 ainda eram muito suscetíveis a falhas, como, por exemplo, se um cabo fosse desconectado ou rompesse, toda a rede saia do ar, e como não havia LEDs indicadores de conexão, era muito trabalhoso identificar onde estava o problema na rede.

    A evolução continuou e logo vieram os padrões de 100 e 1000 megabits, que ao invés de cabos coaxiais, utilizavam cabos de par trançado. Estes, ainda mais finos, ainda mais flexíveis, ainda mais baratos e têm um alcance ainda mais curto! De apenas 100 metros. Existem várias categorias deles e todos possuem um uso específico. A principal vantagem deles em relação aos cabos coaxiais é o suporte de maiores velocidades, inclusive ao novíssimo padrão de 10 Gigabits!




    A evolução natural deles são os cabos de fibra óptica, que como vocês já podem imaginar, são ainda mais finos, ainda mais flexíveis, suportam velocidades ainda mais altas e não, não têm um alcance menor. Eles podem transmitir a até 2 Km! E usando-se repetidores de sinal, a distância se torna ilimitada. Seu custo ainda é alto, o que, na minha opinião, é o fator principal deles não terem se popularizado ainda. Os cabos de fibra óptica são mais usados na criação de backbones que interligam os principais roteadores da internet.




    Por que não falar também das redes wireless e seus primórdios? Apesar delas não usarem cabos, elas se valem de um meio de transmissão comum, o ar. E elas também passaram por uma evolução e aperfeiçoamento. Acredito que assim como eu, vossas senhorias ficarão impressionados com a origem desta modalidade de acesso à grande rede.

    A primeira rede wireless, acredite se quiser, foi montada em 1970! Exatamente! Quase que concomitantemente com a primeira rede cabeada! Ela foi feita pela ALOHAnet e interligava computadores no campus da Universidade do Havaí, que se encontravam em ilhas diferentes. Usando tecnologia de rádio amador, os sinais eram mandados para um transmissor central que retransmitia a mensagem aos demais computadores conectados.

    Até a história do engenheiro que desenvolveu a primeira rede wireless é curiosa. O nome dele é Norm Abramson e ele ensinava engenharia na faculdade de Stanford. Só que o cara curtia muito o surf, e ligou para a Universidade do Havaí perguntando se eles não estavam precisando de um professor de engenharia por lá… Em 1969 ele se muda e em 1970 funda a ALOHAnet, interligando os computadores entre as ilhas, e em 1971 recebe um terminal IMP para conectar sua rede wireless a recém-fundada ARPANET! Virei fã desse cara!

    Hoje, 40 anos depois da ALOHAnet, as redes wireless já conseguem transmitir (teoricamente) a até 300 megabits, com o padrão 802.11n e estão cada dia mais populares!

    Além dos tipos de cabeamentos usados, diversos padrões regem esse fantástico mundo das redes. Falarei sobre eles no próximo post. Até lá!



    Fonte: Google

    [Somente usuários registrados podem vem os links. ] / [Somente usuários registrados podem vem os links. ]
    Última edição por Cøłєridgє; 16-09-2010 às 01:28 PM.

    Hidden Content Hidden Content -
    Sou melhor do que as pessoas pensam e pior do que elas imaginam ...

 

 

Informações de Tópico

Usuários Navegando neste Tópico

Há 1 usuários navegando neste tópico. (0 registrados e 1 visitantes)

Tópicos Similares

  1. |Download| Curso Completo de Redes de Computadores
    Por hidy no fórum Redes
    Respostas: 0
    Último Post: 19-11-2011, 04:27 PM
  2. |Tutorial| Curso Básico de Redes ( Final )
    Por Cøłєridgє no fórum Redes
    Respostas: 0
    Último Post: 17-09-2010, 03:13 PM
  3. |Tutorial| Curso Básico de Redes ( Parte 4 )
    Por Cøłєridgє no fórum Redes
    Respostas: 0
    Último Post: 16-09-2010, 01:25 PM
  4. |Tutorial| Curso Básico de Redes ( Parte 3 )
    Por Cøłєridgє no fórum Redes
    Respostas: 0
    Último Post: 15-09-2010, 06:33 PM
  5. |Tutorial| Curso Básico de Redes ( Parte 1 )
    Por Cøłєridgє no fórum Redes
    Respostas: 0
    Último Post: 14-09-2010, 03:21 AM

Marcadores

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •